top of page
  • Foto do escritorJornal O Cola

Pelas ruas ecoam os gritos da liberdade

Por Mariana Raminhos
Editado por António Santos

Pelas ruas ecoam os gritos pela liberdade, as casas contam histórias e os cravos vermelhos dão cor à cidade. A celebração do 25 de abril relembra a força de um povo que claramente já não é o mesmo. De certa maneira, aquilo que foi semeado acabou por apodrecer e resta à juventude reescrever o conceito de democracia. Esta responsabilidade recai sobre nós pelo facto de nos apelidarem de “futuro”, embora sejam poucos os licenciados que pretendem permanecer no país.


A nacionalidade portuguesa passou a ser sinónimo de passaporte europeu, resultando na fuga de jovens trabalhadores que apenas desejam uma vida melhor. Desta maneira, fica impossibilitado qualquer tipo de julgamento, uma vez que o único responsável por estes acontecimentos é o próprio país que não criou condições, mas sim impedimentos. O estudante comum, não só batalha contra si mesmo para não desistir de um sistema educacional antiquado, como também presencia um custo de vida elevado. Para além disso, devido à inexistência de direitos que salvaguardam os nossos interesses e as lutas criadas a favor da implementação sobre os mesmos, a memória de um país revolucionário fica apenas no passado. É também curioso refletir como é que estes problemas se tornaram constantes ao longo das décadas e as discussões se resumiram a quem é que, no espectro político, tinha razão, enquanto a busca pelas soluções permaneceu estagnada. Até que o português conformista decidiu finalmente levantar-se do sofá e ir às manifestações contra a subida dos preços, lutar por salários mais justos e reivindicar o direito à habitação.


Evidentemente surge hoje uma vontade de voltar às origens, isto é, há uma tentativa de refazer o 25 de abril. A essência de uma nação é sublinhada na contestação geral sobre um determinado assunto, até mesmo em relação ao futebol. Por outras palavras, a construção de uma comunidade considerada democrática baseia-se na discórdia também. Dito isto, permitam-me agora criar algum atrito nesta sociedade tradicionalmente portuguesa, onde à cultura não lhe é dado um papel fulcral. Que espécie de identidade queremos criar sem espaço para a expressão artística nas suas variadas formas? É impossível pensar nos cravos sem ter a voz de Zeca Afonso a sussurrar “Grândola, Vila Morena”. A realidade é que são estes pequenos objetos de arte que definem e relembram os momentos mais brilhantes e cruciais da nossa existência, porque, sem estes, a emoção que muitos de nós sentimos não poderia ser expressa de uma maneira tão intensa quanto esta.


A luta pelos direitos em que cada um de nós acredita depende única e exclusivamente da sede por mudança, seja ela qual for. Viver sem discórdia é o caminho mais rápido para a ditadura, pois apenas a diversidade é o fator essencial para a democracia e, sem essa, abril de 1974 de nada nos teria servido.



12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O Nosso Último Beijo

Aviso: referência a suicídio e automutilação Nota: ler ao som de Ceilings, de Lizzy McAlpine. Ali, com a Eva, o Chris sentia-se em paz. Já há duas horas que estavam sentados naquele velho banco de mad

Our Last Kiss

TW: self arm, suicide Note: read while listening to “ceilings” by Lizzy McAlpine Chris felt at peace, there with Eva. They had been sitting on that old wooden bench for the past two hours. Eva had jus

pedir permissão

estava a andar na rua e senti o cheiro do teu perfume. e foi aí que a minha mente mergulhou naquele dia em que estávamos deitados num jardim a trocar beijinhos e caretas enquanto um céu de mil cores s

Comments


bottom of page