top of page
  • Filipa Ribeiro

Deitaste tudo a perder

Deitaste tudo a perder

E chafurdas na aspereza

Dos lençóis com que fizeste

A cama em que te deitaste

E tanto que me disseste!

Tanto tu me julgaste

Infantil; histérica;

Dramática; eufórica

Pois escrevo-te hoje

Desprovida de euforia

De toda a magia

Da identidade que desprezaste

Afinal contigo secou-se a fonte

Mas eu transbordo do que tenho e vivi

No dia em que decidiste

Deixar a mesa cuja possibilidade tu abriste

Porque te fartas

De ti próprio

Te acobardas

Achas tudo impróprio

Para ti, para seguir em frente

Continuas latente

E assim, como diria noutro poema

Enquanto eu sigo o meu lema:

«Permitam-me ser!»

Tu permaneces estanque

Condenado à estante

Do esquecimento



2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O Nosso Último Beijo

Aviso: referência a suicídio e automutilação Nota: ler ao som de Ceilings, de Lizzy McAlpine. Ali, com a Eva, o Chris sentia-se em paz. Já há duas horas que estavam sentados naquele velho banco de mad

Our Last Kiss

TW: self arm, suicide Note: read while listening to “ceilings” by Lizzy McAlpine Chris felt at peace, there with Eva. They had been sitting on that old wooden bench for the past two hours. Eva had jus

pedir permissão

estava a andar na rua e senti o cheiro do teu perfume. e foi aí que a minha mente mergulhou naquele dia em que estávamos deitados num jardim a trocar beijinhos e caretas enquanto um céu de mil cores s

Comments


bottom of page