top of page
  • Foto do escritorJornal O Cola

Chegar ao Lugar de Partida

Catarina Baptista
Editado por António Santos

Hoje troco-vos as voltas e começo pelo final, pode ser?


Podia começar pelo início, mas esse não difere muito do fim desta narrativa.


Sabem quando vão ver um filme e já sabem o que vai acontecer? Deixam de ver o filme apesar do spoiler ou não? Bom, mas esta história continua, não obstante a personagem principal ter sido “spoilada” há muito tempo atrás.


Aqui vai.


Trata-se de uma capitã de um barco. Navegava lentamente ao início, mas, dia após dia, o barco via-se cada vez mais sob mar bravo e a capitã ia, por isso, perdendo o controlo do leme. Logo ela, que sempre soube navegar em alto mar.


Contudo ela continuou. Porquê? - Perguntam vocês.


Ela vislumbrava terra no horizonte, esse destino que a esperava no fim do percurso. No entanto, esse destino não era a chegada dela. Era sim a sua partida.


Ela queria parar de navegar, não querendo chegar a essa terra de partida, mas o mar bravo levava o barco como se tivesse vontade própria.


Não sei se já perceberam o final desta história, mas a capitã, que pensava segurar firmemente o leme, havia chegado ao tal destino não desejado, embora já previsto.


O mapa, ela conhecia, e a cruz que marcava a terra já lá estava há tempo demais. Ainda assim, ela foi.


Navegando.

Navegando.

Navegando.


Num barco que capitaneava, sozinha.


Seria esse destino sombrio? Ou fora a solitude do caminho até ele que o entenebreceu?


Ela eventualmente chega lá. E dele partiu. Uma vez mais.

Mas não sozinha.

Partiu acompanhada: com ela mesma.


Bússola, ela não levava. A bússola indica o Norte. E ela não o queria alcançar, embora assim o tivesse.


Porquê? Porque chegou ela a esse cardeal embora não levasse a bússola?


Por vezes - pensou ela - o mar leva-nos por ondas maiores para percebermos que é depois delas que encontramos terra.


Essa bússola, no fim, não apontava na direção de um lugar - concluiu ela. Apontava para um horizonte.

Esse está sempre à vista, embora longe. Quanto mais se tentava aproximar dele, mais se inteirava de que não o conseguiria alcançar. Assim, chegada ao destino, ela partiu. (Afinal, acabei por começar pelo início.)


Ela partiu.

Nunca mais olhou para trás.

Mas a cruz marcada no mapa, essa permaneceu.



40 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O Nosso Último Beijo

Aviso: referência a suicídio e automutilação Nota: ler ao som de Ceilings, de Lizzy McAlpine. Ali, com a Eva, o Chris sentia-se em paz. Já há duas horas que estavam sentados naquele velho banco de mad

Our Last Kiss

TW: self arm, suicide Note: read while listening to “ceilings” by Lizzy McAlpine Chris felt at peace, there with Eva. They had been sitting on that old wooden bench for the past two hours. Eva had jus

pedir permissão

estava a andar na rua e senti o cheiro do teu perfume. e foi aí que a minha mente mergulhou naquele dia em que estávamos deitados num jardim a trocar beijinhos e caretas enquanto um céu de mil cores s

Comments


bottom of page