top of page
  • Foto do escritorJornal O Cola

"A Reconquista de Olivenza"

Texto da autoria de Mafalda Vale e Gonçalo Counhago

Imagens da autoria de Filipe Ferreira


Até ao dia 16 de outubro, estará em reposição no Teatro São Luiz a peça A Reconquista de Olivenza, concebida por Ricardo Neves-Neves e Filipe Raposo. A peça estreou em fevereiro de 2020, tendo a sua exibição sido interrompida devido ao surgimento da pandemia mundial COVID-19.


No passado dia 29 de setembro, a equipa do jornal O Cola teve o privilégio e o prazer de assistir ao ensaio da peça, tendo confirmado em primeira mão o quão dinâmico e cativante é este espetáculo, que humoristicamente mistura referências históricas e contemporâneas dentro das mais diversas áreas, como a política, a religião, a música, a televisão e até os videojogos. Sendo que se trata de uma peça influenciada pelo teatro de revista, A Reconquista de Olivenza mantém-se atual através de alusões a eventos e fenómenos sociais atuais, como a falência da TAP ou o mais recente jingle do Pingo Doce. A história de Portugal é abordada com um twist de atualidade, roçando a ridicularização e o absurdo, com trotinetas e um carrinho de golfe no lugar dos cavalos e do coche real.


A ação dá-se num universo em que coexistem traços de épocas históricas muito diferentes, o que contribui para o caráter quase onírico da peça. Este dinamismo é também concretizado através dos excecionais números musicais que intercalam a comédia e mantêm o espectador envolvido. A orquestra, dirigida pelo maestro Cesário Costa, e o elenco, sob a direção vocal de João Henriques, culminam numa performance musical brilhante. Para além disso, encontramos um guarda roupa inventivo, extravagante e expressivo, da autoria de Rafaela Mapril, que traz emoção ao enredo e não impede a liberdade de movimento das personagens, elevando a carismática interpretação por parte dos atores. Para além do cenário habitual de teatro, as cenas são complementadas por uma tela onde são projetados alguns efeitos especiais. Sendo translúcida, a tela permite transições de cenário dinâmicas (por vezes feitas pelo próprio elenco, que, de forma orgânica, não quebra a atuação), fundindo-se, assim, com o palco e as personagens, elementos distintos que complementam a expressão artística e mantêm o ritmo da peça.


A Reconquista de Olivenza é, ainda, extremamente marcada por referências de cunho político, assumidamente provocatórias, numa bela manifestação de liberdade artística por parte do autor. Ironicamente, com o mote de “fazer cumprir Portugal” e conquistar o Quinto Império – a que Pessoa tanto apelou na sua Mensagem –, é retratada a família real portuguesa, liderada pela Rainha de Portugal e dos Algarves, a formar uma aliança com os marxistas da Margem Sul e com o califado de Alcácer do Sal. Há uma ridicularização de todas as figuras de poder representadas, políticas ou religiosas, sendo que o seu discurso oscila entre a “elevação” que estamos habituados a associar à realeza e à igreja e certas falhas linguísticas comuns, até rudes, que mais facilmente associaríamos às classes sociais mais baixas. A sátira é levada ao ponto de aparecerem três Nossas Senhoras – de Fátima, de Guadalupe e de Lourdes –, que recorrem ao tarô e à astrologia para prever o futuro e que acreditam no karma e na manifestação.


A música acrescenta, também, toda uma outra dimensão de referências à peça. O ponto de partida musical é a época barroca – desde o surgimento da ópera até à morte de Bach. No entanto, o produto final é de uma versatilidade surpreendente, entendido como uma espécie de cacofonia, com uma mistura de referências que incluem Amália Rodrigues e até um original da banda sonora de Cinderela, da Disney.


Paralelamente a estas, encontramos inúmeras referências à cultura pop, sendo várias cruciais ou pelo menos marcantes na contemporaneidade da cultura portuguesa. Exemplos disso são as referências a falas da dobragem portuguesa da Navegante da Lua (o icónico "pelo poder do prisma lunar...vou castigar-te!"), ou da dobragem do Dragon Ball feita pela SIC nos anos 90. Na verdade, um dos personagens mais centrais à trama da peça – Buu Buu, o chefe do exército real português – nasce da adaptação portuguesa de um personagem de Dragon Ball, Majin Boo. O objetivo principal da peça também se encontra intrinsecamente ligado à popular série japonesa, mas, desta vez, o desejo a ser realizado pelo "Dragão do Quinto Império" não seria imortalidade ou juventude eterna, mas que Portugal fosse reconhecido como o Império capaz de suplantar todos os anteriores, trazendo um período de paz nunca antes visto.


Esta noção de um "Quinto Império" permaneceu tópico comum à literatura e cultura ao longo dos milénios, desde o sonho de Nabucodonosor II, rei da Babilónia. Nesse sonho, Nabucodonosor vê a imagem de uma estátua de um homem, dividida em 5 secções de metais diferentes – cabeça de ouro, torso de prata e bronze, pernas de ferro e pés de barro –, sendo que cada tipo de metal representa um grande Império da Humanidade. Contudo, também sonha que uma pedra, enviada pelo Deus judaico-cristão, derrubaria a estátua. Essa pedra seria metonímia do "Quinto Império'' e apagaria, simbolicamente, a importância de todos os anteriores. E é com este auxílio divino que começa o desenrolar da peça.


Após o sonho de Nabucodonosor, somos remetidos para Afonso Henriques nas vésperas da batalha de Ourique, onde, segundo a tradição, Jesus teria surgido num sonho e eleito Afonso como arauto de um "grande Império". Na peça, é durante este momento que é revelado ao primeiro rei de Portugal a existência das sete bolas de cristal que, reunidas, trarão o Quinto Império – e com ele, uma paz que durará 1000 anos. Este sonho foi passado de monarca em monarca até chegarmos à Rainha de Portugal retratada na peça.


Ainda dentro da veia das referências histórico-culturais, surge na peça um galeão português que se perde no mediterrâneo e passa por diversos locais e criaturas familiares à tradição literária grega antiga, simulando o exato percurso de Ulisses quando se perde no regresso a casa.


Deste modo, concluímos que A Reconquista de Olivenza não se reduz ao seu próprio título. Pegando num ponto de partida relativamente simples – a reconquista de um território que durante anos confundiu as fronteiras geográficas entre Portugal e Espanha – expande-se para uma sátira de âmbito sociopolítico, conferindo-lhe ainda uma forte componente cultural. Consegue um fiel retrato da cultura portuguesa na sua forma mais pura e despretensiosa, apesar da sua representação por personagens que, numa primeira instância, nos parecem ser o oposto disso. Tendo em consideração todos estes aspetos, face à singularidade da peça, recomendamos este espetáculo a todes ês nosses leitores!

93 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O Nosso Último Beijo

Aviso: referência a suicídio e automutilação Nota: ler ao som de Ceilings, de Lizzy McAlpine. Ali, com a Eva, o Chris sentia-se em paz. Já há duas horas que estavam sentados naquele velho banco de mad

Our Last Kiss

TW: self arm, suicide Note: read while listening to “ceilings” by Lizzy McAlpine Chris felt at peace, there with Eva. They had been sitting on that old wooden bench for the past two hours. Eva had jus

pedir permissão

estava a andar na rua e senti o cheiro do teu perfume. e foi aí que a minha mente mergulhou naquele dia em que estávamos deitados num jardim a trocar beijinhos e caretas enquanto um céu de mil cores s

Comments


bottom of page