top of page
  • Foto do escritorJornal O Cola

Quem ama não agride

No Dia dos Namorados, a AEFLUL aproveitou a comemoração para discutir assuntos sérios. Todes es estudantes foram convidades a estarem presentes numa palestra realizada pelo Movimento Democrático de Mulheres (MDM). Esta organização sem fins lucrativos e independente do Estado tem como prioridade a luta pela igualdade de género, caminhando de mão dada com es portugueses na esperança de construir uma sociedade onde haja justiça social. O MDM, sendo uma estrutura de âmbito nacional, tem um papel reivindicativo e fulcral em educar todas as camadas da população sobre este tema.


O tema abordado pela oradora Tânia Mateus, a dirigente nacional do MDM, foi a violência no namoro. A sessão abriu com recurso à plataforma Mentimeter, através da qual es alunes iniciaram uma reflexão sobre questões do seu quotidiano. As perguntas feitas à partida estavam relacionadas com o controlo que es estudantes possuíam sob e parceire, se estes tinham o hábito de ler as mensagens, comentar o vestuário ou até mesmo dizer algo acerca das saídas com amigues. Esta ferramenta foi usada com o intuito de perceber se a plateia conseguia identificar comportamentos tóxicos no seu dia a dia. O debate revelou uma normalização social e cultural deste tipo de condutas nos media, na indústria cinematográfica e musical. Há uma construção da ideia de que o amor é obsessão e erotização, em que a mulher deve esquecer a sua identidade para satisfazer as vontades do parceiro. É pintado um retrato que revela uma romantização do abuso num mundo em que cada vez mais são mais comuns os relacionamentos tóxicos.

A perspetiva apresentada é a de que a discriminação é um ato de agressão que é coercivo dentro do patriarcado, que, por sua vez, é definido pela atribuição de cargos de poder a homens que não se inserem nas minorias. Isto remete a uma fraca representação do espectro que é a sociedade e propicia estereótipos como a narrativa de que as mulheres são biologicamente cuidadoras e devem, por isso, dedicar-se a um certo tipo de trabalhos. O género não define o papel que temos na sociedade, essa escolha é feita individualmente enquanto ser humano que somos. Outra adversidade identificada é que necessidades básicas como a habitação e o trabalho não são supridas, o que leva a uma carência emocional, uma vez que o afeto e empatia são secundarizados. A oradora explicou também que a violência não ocorre exclusivamente nas relações de intimidade, dando o exemplo da falta de condições em que pessoas com deficiência vivem, identificando-o como um problema estrutural.


A última reflexão feita foi a de que, embora haja uma dificuldade em quebrar estes ciclos de violência, são essenciais ações de sensibilização. Este tipo de iniciativa por parte da Associação de Estudantes é fulcral para que es alunes possam participar nesta conversa atual e alterar mentalidades que compactuam com a desigualdade social.


Autoria de: Mariana Raminhos

Editado por: Matilde Mala



30 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O Nosso Último Beijo

Aviso: referência a suicídio e automutilação Nota: ler ao som de Ceilings, de Lizzy McAlpine. Ali, com a Eva, o Chris sentia-se em paz. Já há duas horas que estavam sentados naquele velho banco de mad

Our Last Kiss

TW: self arm, suicide Note: read while listening to “ceilings” by Lizzy McAlpine Chris felt at peace, there with Eva. They had been sitting on that old wooden bench for the past two hours. Eva had jus

pedir permissão

estava a andar na rua e senti o cheiro do teu perfume. e foi aí que a minha mente mergulhou naquele dia em que estávamos deitados num jardim a trocar beijinhos e caretas enquanto um céu de mil cores s

Comments


bottom of page