top of page
  • Foto do escritorCarolina Franco

Peter Handke: Um Retorno às Raízes Eslovenas na Peça «Tempestade Ainda»

Na atmosfera familiar do Teatro Aberto, a peça Tempestade Ainda é incomum. Esta peça, que teve a sua estreia absoluta em 2011, desafia as convenções ao incorporar o próprio escritor, Peter Handke, como protagonista – a personagem do «Eu». A narração é um ponto vital nesta escrita dramática épica onde Handke une a epopeia ao drama. Ele mergulha nas suas raízes eslovenas e explora os relatos dos seus antepassados durante a Segunda Guerra Mundial na região montanhosa da Caríntia, Áustria. 


Esta jornada através do tempo e da memória apela ao coração da audiência; o escritor desafia as fronteiras entre a realidade e a ficção, entre o passado e o presente, convidando o público a refletir sobre as suas próprias raízes e conexões com a história. Peter, o narrador-personagem, assumindo o papel de «Eu», é confrontado com as histórias dos seus parentes maternos, que sofreram sob o jugo nazi. A proibição de falarem a sua língua, a obrigação de servir no exército alemão e a resistência dos partisans nas montanhas são reveladas através das vozes dos avós, da mãe, da irmã e dos tios. 


A peça é tecida entre recordações, factos e ficção, prestando uma homenagem aos antepassados de Handke. Ao mesmo tempo, Handke ilumina certos eventos muitas vezes obscurecidos pela História através da autodescoberta. O título deriva de uma citação da didascália de Rei Lear, de Shakespeare - «Storm Still». Este título encapsula a visão do autor sobre a continuidade do passado no presente e sobre a persistência das vozes ancestrais que ele procura fazer ouvir. Afinal, tal como acreditam os egípcios, as pessoas morrem duas vezes. A primeira morte é física, quando se expira pela última vez, ou seja quando a alma sai do corpo. A segunda e final morte é simbólica, quando o nome do falecido é pronunciado pela última vez. Com isto, fala-se de quando a pessoa é esquecida. Eles crêem que o espírito só desaparece assim – e quer seja proposital ou não, Handke não quer permitir que o espírito da sua família desapareça, marcando-a então na mente da audiência. 


As cortinas do Teatro caem e o eco das vozes ancestrais permanece, lembrando todos de que a tempestade do passado ainda ressoa nos corredores da memória coletiva, pronta para ser ouvida por aqueles que se dispõem a escutar.


Editado por Inês Cândido


12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O Nosso Último Beijo

Aviso: referência a suicídio e automutilação Nota: ler ao som de Ceilings, de Lizzy McAlpine. Ali, com a Eva, o Chris sentia-se em paz. Já há duas horas que estavam sentados naquele velho banco de mad

Our Last Kiss

TW: self arm, suicide Note: read while listening to “ceilings” by Lizzy McAlpine Chris felt at peace, there with Eva. They had been sitting on that old wooden bench for the past two hours. Eva had jus

pedir permissão

estava a andar na rua e senti o cheiro do teu perfume. e foi aí que a minha mente mergulhou naquele dia em que estávamos deitados num jardim a trocar beijinhos e caretas enquanto um céu de mil cores s

Comments


bottom of page