top of page
  • Foto do escritorJornal O Cola

O Nosso Último Beijo

Aviso: referência a suicídio e automutilação

Nota: ler ao som de Ceilings, de Lizzy McAlpine.


Ali, com a Eva, o Chris sentia-se em paz. Já há duas horas que estavam sentados naquele velho banco de madeira. A Eva tinha sido aceite em Juilliard e o Chris tinha finalmente saído da sua casa abusiva. A vida estava lentamente a melhorar. Ele olhou para a Eva e admirou a suas bochechas e os seus lábios cheios. Beijou cada uma das sardas na cara dela e o seu coração aqueceu quando deixou mais um beijo nos seus lábios. O Chris não estava preocupado com a chuva que começava a encher os seus sapatos de água porque ela estava ali e, enquanto a Eva ali estivesse, ele estava bem.

— Sabes que temos um chapéu. Não há necessidade de estares à chuva, — disse a Eva enquanto o tentava pôr debaixo do chapéu de chuva. O seu riso era tão precioso. 

— Eu amo-te. Sabes disso, certo? Não acho que alguma vez me poderia apaixonar por outra pessoa. Eva, tu és a minha casa, — disse o Chris com os olhos cobertos de lágrimas honestas. Eva beijou-o, grata pelas suas queridas palavras.

A chuva intensificou-se enquanto andavam até ao carro do Chris. Ele abriu a porta para Eva e aproveitou para admirar os seus pulsos, sempre cobertos de pedaços de tinta, demasiado teimoso para a deixar ir. Ela era bonita. Chegava a ser difícil para o Chris acreditar que ela era real. Ele percorreu o seu cabelo ruivo com os dedos e sorriu. Falaram sobre a noite em que se conheceram. Tinha sido dois anos antes, quando o Chris encontrou a Eva a chorar desesperadamente; a segurar o seu pequeno corpo à medida que as lágrimas lhe escorriam pela cara. O Chris não tinha planeado ficar tanto tempo na festa, mas quando a viu naquele estado soube que não tinha hipótese. Ele tinha de ficar.

— Lembras-te do café a que costumávamos ir? Tentei tanto convencer-me que era o melhor café, mas a única razão por que lá fui foste tu, — ele sorriu. Depois da festa começaram a sair todos os dias e não demorou muito tempo até que os caramel macchiatos fossem substituídos por escapadelas a casa da Eva, beijos e sonhos duradouros.

— Um dia serei o maior artista do mundo, e depois, quando for famoso o suficiente, vou trocar tudo pela nossa vida numa caravana, a viajar pelo mundo contigo e o nosso gato preto! Acho que Jack seria um bom nome para ele, o que achas? — ela perguntou de mão dada com o Chris enquanto ele estacionava o carro à frente da casa dele. O seu coração batia a mil. Ele amava-a tanto que era irreal. Mas ele já sabia o que se avizinhava. Ele reconhecia o sentimento agridoce no seu beijo de despedida.

— Por favor, não vás…, — ele pediu com lágrimas a começar a escorrer pelas suas bochechas, enquanto tremia e o sentimento caloroso era trocado pela dor insuportável a que já estava habituado.

— Tens de me deixar ir, Chris. Isto não é real, — disse Eva à medida que Chris olhava para o lugar vazio a seu lado e se ia abaixo.

Deitado na sua cama, na mesma velha casa, repleta com os mesmo gritos e berros, o Chris ouvia as mesmas notícias cruéis agarrado ao seu gato, Jack.

Vai fazer um ano desde que Eva Matthews, de dezanove anos, se suicidou. Familiares e habitantes locais continuam a lamentar a sua morte. 


Traduzido por Sara Fernandes

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Our Last Kiss

TW: self arm, suicide Note: read while listening to “ceilings” by Lizzy McAlpine Chris felt at peace, there with Eva. They had been sitting on that old wooden bench for the past two hours. Eva had jus

pedir permissão

estava a andar na rua e senti o cheiro do teu perfume. e foi aí que a minha mente mergulhou naquele dia em que estávamos deitados num jardim a trocar beijinhos e caretas enquanto um céu de mil cores s

ask for permission

I was walking on the street and I felt your perfume. that was when my mind took a dive into the day we were lying on a garden exchanging kisses and funny faces while a sky made of a million colours co

留言


bottom of page