top of page
  • Foto do escritorJornal O Cola

Lourenço Marques

Por Carolina Franco

Traduzido por Laura Gouveia



Lourenço Marques é um campo de narcisos.

O coração de Moçambique,

A capital que te acolheu,

Que te deu um lar,

Uma oportunidade de vida.

Valeu a pena cada segundo,

Nunca te arrependeste.


Lourenço Marques é uma musa

Nos olhos de um poeta

Que escreve sob constelações.

Um poema contado na calada da noite,

Para a lua e os mochos ouvirem.

A vida selvagem noturna,

Vivendo no silêncio da sua própria existência.


Lourenço Marques é o sonho.

Subiste os degraus da catedral,

Um vestido branco tão lindo

Que os transeuntes não podiam deixar de olhar,

O amor da tua vida à espera no altar,

Um ramo de flores nas tuas mãos,

Eras mais feliz que alguma vez tinhas sido.


Lourenço Marques é a Pátria.

Para onde foste em busca de conforto,

Onde tiveste os teus filhos,

Longe de Portugal,

Tão perto e ao mesmo tempo tão longe,

Mas com uma família como nenhuma outra,

Prosperaste como nunca.


Lourenço Marques é tristeza.

Quando foste obrigada a regressar a Portugal,

Após a Revolução que mudou o nosso país

E transformou os cravos num símbolo nacional,

Tirando-te tudo,

Todo o teu trabalho árduo considerado irrelevante,

E obrigando-te a começar de novo.


Lourenço Marques é o teu paraíso.

As fotografias não lhe fazem justiça.

Partilhas as suas histórias,

Memórias eternas e inabaláveis.

Recordas durante dias a fio,

Nunca esquecendo, sempre ansiando,

Até ao dia da tua morte.


Lourenço Marques é desejar.

Sentada à volta de uma mesa,

A conversar e a beber,

A olhar para as estrelas

E vê-las arder

A cada respiração que dás,

Cada uma mais dolorosa que a outra.


Lourenço Marques é recordar.

Telefonar a velhos amigos,

Juntar-se a grupos do Facebook,

Para sentires que pertences.

Os tempos mudaram,

Agora chama-se Maputo,

Detestas o nome.


Lourenço Marques é saudade.

É saber que não podes voltar atrás,

Mesmo depois de perderes o teu marido,

Veres os teus filhos voar para longe,

Sentires-te abandonada,

Longe da tua cidade,

E da tua devoção resoluta.


Lourenço Marques é voar.

Como uma borboleta migra,

Para locais onde passar o inverno,

Levando o teu coração com ela.

Como um mártir pede desculpa

Ao mundo apenas por existir,

Tu pedes desculpa por te teres traído a ti própria.


9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O Nosso Último Beijo

Aviso: referência a suicídio e automutilação Nota: ler ao som de Ceilings, de Lizzy McAlpine. Ali, com a Eva, o Chris sentia-se em paz. Já há duas horas que estavam sentados naquele velho banco de mad

Our Last Kiss

TW: self arm, suicide Note: read while listening to “ceilings” by Lizzy McAlpine Chris felt at peace, there with Eva. They had been sitting on that old wooden bench for the past two hours. Eva had jus

pedir permissão

estava a andar na rua e senti o cheiro do teu perfume. e foi aí que a minha mente mergulhou naquele dia em que estávamos deitados num jardim a trocar beijinhos e caretas enquanto um céu de mil cores s

Comentarios


bottom of page