top of page
  • Foto do escritorJornal O Cola

De manhã

Tiago Correia
Editado por António Santos

De manhã, sinto-me mais eu. De manhã, estou mais perto de Deus.


De manhã, sou mais esperançoso, pois as pressões diárias ainda não assentaram.


Antes que os flagelos do dia-a-dia me dilacerem em mil fragmentos de mim, antes que os lenitivos do sono e manhã seguintes me façam esquecer de que não sei quem sou.


De manhã, como diria o bucólico, “sou um olho transparente”. Um com a natureza, com a alvorada, mas distintivamente eu. O abrir dos olhos ao primeiro despertar traz-me paz, antes de me lembrar de quem sou, antes de me lembrar de que não sei quem sou, antes de procurar algo que me legitime durante a integridade do dia.


De manhã, estou em comunhão com o divino. Estou em íntima cópula com a Criação, com o início das coisas, e em paz com o seu fim. Quando olho pela janela, assisto ao início do tempo, ao pó que hoje me concatena. Estou resoluto.


Antes de quebrar jejum, antes de beber a primeira bica, antes de fumar o cigarro, antes de ouvir o primeiro “bom dia”, eu existo, a penumbra não assentou. Antes de ser uma colagem dos demais, antes da alteridade, sou o meu eu menos desonesto.


Antes de desdobrar o jornal e aprender sobre o deslizamento de terras em Manila, sobre a fila de fome no banlieue ou sobre o corredor de tendas na Morais Soares. De manhã, antes que o levantar me confine à mediocridade generalizada.


Antes que a memória me devolva à insensibilidade do dia. De manhã, cheiro magenta, turquesa e todos os afins tons que a treva da tarde assalta.


De manhã, antes de ser de plástico, sou de luz. O limiar da carne não me afoga. Ainda não me expliquei porque é que sou bom, não precisei.


De manhã, antes de olhar ao espelho e não ver um eco, antes do meu reflexo ser uma amálgama de lascas– sou eu.


Antes de recordar que tudo o que me revolve é falso, eu incluso. Todos os dias renasço da vigília e revejo-me, ainda que por breve.


Até amanhã.



16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O Nosso Último Beijo

Aviso: referência a suicídio e automutilação Nota: ler ao som de Ceilings, de Lizzy McAlpine. Ali, com a Eva, o Chris sentia-se em paz. Já há duas horas que estavam sentados naquele velho banco de mad

Our Last Kiss

TW: self arm, suicide Note: read while listening to “ceilings” by Lizzy McAlpine Chris felt at peace, there with Eva. They had been sitting on that old wooden bench for the past two hours. Eva had jus

pedir permissão

estava a andar na rua e senti o cheiro do teu perfume. e foi aí que a minha mente mergulhou naquele dia em que estávamos deitados num jardim a trocar beijinhos e caretas enquanto um céu de mil cores s

Comments


bottom of page