top of page
  • Foto do escritorJornal O Cola

Abraços que curam

Quando me libertei do meu passado, senti-me perdida.

Não no mundo, mas em mim mesma.

Como se a minha alma não me pertencesse e não encaixasse no meu Eu.

Atrás de mim, um filme a preto e branco:

Os pássaros não cantavam e o sol não brilhava.

As nuvens choravam e o céu desabava.

À minha frente, um mundo em rotura.

Dor, mágoa e agonia.

Sentimentos profundos, dos que sufocam.

Intensos ao ponto de não permitirem que seguisse caminho.

Cicatrizes abertas impediam cada passo.

Decidi deixar-me ir com a brisa

E o vento levou-me para dentro do teu abraço.

E que lugar tão bonito.

(Re)Encontrei-me ao encontrar-te.

É em ti que me sinto segura

E um aperto invade-me o coração cada vez que nos largamos.

Porque és a minha âncora, a minha onda de paz.

Transbordas amor e trazes aos ombros o dom de tornar os dias cinzentos em bonitas tardes de outono.

E assim, sem querer,

A alma que em tempos me pertenceu,

Entregou-se completamente a ti.

Ao teu calor. Ao teu amor.

Nunca te disse, mas o teu abraço é o meu sítio preferido.

Salvou-me do abismo e curou-me do medo e da solidão.

E sou tão feliz enroscada nos teus braços.


Por Bruna Ribeiro

Editado por Matilde Mala

19 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O Nosso Último Beijo

Aviso: referência a suicídio e automutilação Nota: ler ao som de Ceilings, de Lizzy McAlpine. Ali, com a Eva, o Chris sentia-se em paz. Já há duas horas que estavam sentados naquele velho banco de mad

Our Last Kiss

TW: self arm, suicide Note: read while listening to “ceilings” by Lizzy McAlpine Chris felt at peace, there with Eva. They had been sitting on that old wooden bench for the past two hours. Eva had jus

pedir permissão

estava a andar na rua e senti o cheiro do teu perfume. e foi aí que a minha mente mergulhou naquele dia em que estávamos deitados num jardim a trocar beijinhos e caretas enquanto um céu de mil cores s

Comments


bottom of page