top of page
  • Foto do escritorJornal O Cola

A presença da ausência

Todos os dias chegava a casa pelas oito da noite. Trazia comigo uns pés feridos e era sempre recebida com abraço largo e uma sopa quente, que aqueciam a minha alma e apaziguavam qualquer dor ou frustração. Todos os dias me sabiam a sábado, desde que tu estivesses em casa, ao fogão, a ouvir a rádio enquanto dançavas com os aromas e os utensílios de cozinha que te ofereci no Natal. Conversávamos muito à hora de jantar, sobre os mais variados temas, mas volta e meia acabávamos no mesmo: o teu medo de cair no esquecimento. Sempre me demonstraste esse receio, fosse marcando pequenos cantinhos do nosso lar com desenhos de coelhos a caneta permanente, referentes à amorosa alcunha que te coloquei, fosse com a intensidade com que vivias a vida, marcando tudo e todos que contigo se cruzassem. Eu não fui exceção.


Durmo agora numa cama menos cheia, janto numa mesa menos preenchida, pois apenas me resta a tua memória. Foste-te. Partilhei casa contigo, partilhei também uma história; no entanto, aqui não estás para partilhar esta dor. Sofro-a sozinha, enquanto janto uma refeição de micro-ondas, insípida, sem amor e sem vontade, nesta cozinha que ecoa. Até hoje nunca tinha reparado em tamanho eco. Penso que a tua presença o abafava. Talvez tenhas também marcado esta casa e agora, com a tua ausência, ela se manifeste desta forma, ecoando, chamando por ti.


Tentei fazer uma sopa. A tua sopa. Resultou numa aguinha verde com cenoura crua a boiar, uma tremenda catástrofe culinária. Se aqui estivesses, rir-te-ias e decerto dirias “Dedica-te às couves!”, expressão que proferias sempre que fazia algo imperfeito. Expressão essa que repetidamente me aborrecia, mas pela qual hoje suspiro de saudade. Sempre te disse que o teu medo era tonto e aqui tens a prova. A tua presença marcou-me e, agora que já aqui não estás para o fazer, assinalo-a eu por onde passo. Desenho a tua alcunha. Fi-lo no guardanapo do café do Ramires, no cantinho do livro de presenças, no banco do jardim Amália Rodrigues (onde tanto namorámos).


És permanente, meu amor. A tua memória é como um cabelo branco, não largas a minha cabeça, mas eu também não te pretendo arrancar. Simbolizas uma parte da minha vida e desejo levar-te para qualquer lado, envergando orgulhosamente o meu bonito cabelo branco.


E agora, que é feito de mim, sem o sabor do teu abraço, sem o calor da tua sopa, com os pés e a alma feridos?


Mariana Correia

Editado por Mafalda Vale


49 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O Nosso Último Beijo

Aviso: referência a suicídio e automutilação Nota: ler ao som de Ceilings, de Lizzy McAlpine. Ali, com a Eva, o Chris sentia-se em paz. Já há duas horas que estavam sentados naquele velho banco de mad

Our Last Kiss

TW: self arm, suicide Note: read while listening to “ceilings” by Lizzy McAlpine Chris felt at peace, there with Eva. They had been sitting on that old wooden bench for the past two hours. Eva had jus

pedir permissão

estava a andar na rua e senti o cheiro do teu perfume. e foi aí que a minha mente mergulhou naquele dia em que estávamos deitados num jardim a trocar beijinhos e caretas enquanto um céu de mil cores s

Comments


bottom of page