top of page
  • Henrique Murta

A minha experiência de «Aprende a minha Anatomia»  

Título: Aprende a minha Anatomia 

Texto: Aprende a minha Anatomia, baseado no filme Sharknado 5: Global Swarming

Autor do texto: A’Otorpre Tenciosso

Dramaturgia: Nômine Ventado, Ies Tetambem

Encenação: Nômine Ventado

Produção: Ricardo Marujo Pedreira – TetraTeatro

Interpretação: Nômine Ventado Jr.

Espetáculo assistido a: 29/01/2024, no Centro Cultural de Belém


Aprende a minha Anatomia, de Nômine Ventado, é uma peça que se planta no nosso consciente de forma direta e simples, como uma doença sexualmente transmissível. Mas, ao contrário de uma doença sexualmente transmissível, esta não deixa na sua vítima uma marca significativa.


A peça, que toma lugar num armazém mal iluminado, é caracterizada pela abstração dos cenários, da narrativa, do som, e do vestuário da intérprete. Tudo começa com a única protagonista, Persuná Jempre Tenciossa, interpretada por Nômine Ventado Jr., a discursar para a audiência numa quebra imediata da quarta parede. O discurso é centrado no facto de Persuná ter intencionalmente ganho quatro competições nacionais de Maior Nariz, e acidentalmente uma competição regional. Pouco se segue da narrativa e menos se percebe da sua estrutura, se esta última for de facto existente em primeiro lugar, dado que o segundo ponto discursivo da peça é algo completamente desconectado do primeiro: manteiga. É de notar que durante as primeiras sete horas e vinte-e-dois minutos da peça, o cenário mantém-se um simples armazém vazio e iluminado apenas por sinais néon, os quais leem «natureza», «morte», «consentimento» e «sapataria». Por momentos um segundo indivíduo entra em cena mas, numa ação bizarra, a qual até hoje questiono ter sido intencional ou não, é expulso pelos seguranças do recinto. 


A intermissão garantida após sete horas e vinte-e-dois minutos seria devidamente apreciada se não se tratasse verdadeiramente de uma armadilha para os menos atentos, visto que a intérprete Nômine Ventado Jr. faz questão de entrar na única casa de banho, assumo que através de alçapões e túneis subterrâneos, para assustar os utentes desprevenidos com um violento esguicho de mostarda Hellmann’s, direta do pacote. Resumida a breve intermissão, seguem-se quatro horas e treze minutos de canção sussurrada pela intérprete num palco ligeiramente diferente: um armazém bem iluminado. O pouco que se houve das canções sussurradas é suficiente para suscitar diversas emoções, entre elas: medo, horror, terror, ansiedade, nojo, raiva e um pouco de fome. A sensação de responsabilidade é, no entanto, a que se apodera da audiência durante este segmento, especificamente a responsabilidade de observar atentamente a peça sem o mínimo desvio de foco, visto que Nômine Ventado Jr. ameaça agredir todos os membros do público se não tiverem um desempenho aceitável no quiz sobre a peça a ser distribuído perto do final.  


Acabadas as onze horas e trinta-e-cinco minutos de peça, sem contar com a breve intermissão e o quiz final, a intérprete levanta-se e aplaude o público à medida que este diminui em densidade com a saída apressada e decisiva dos seus componentes. Será o armazém vazio, pontuado apenas pela presença errónea da intérprete, uma reflexão do espírito moderno delimitado pela urbanidade? Serão os sinais néon a representação da pouca esperança que guardamos no nosso subconsciente, ao alto e quase fora de vista? Porque é que ela falou de manteiga? Ao tentar entrevistar a intérprete no exterior do recinto ela assaltou-me com um garfo peculiarmente afiado e levou-me a carteira, mas apenas a carteira, tendo deixado o dinheiro e os cartões que estavam lá dentro espalhados pelo chão.


Não percebi nada da peça, e é mesmo por isso que percebi tudo. 7/10.


Editado por Inês Cândido

23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O Nosso Último Beijo

Aviso: referência a suicídio e automutilação Nota: ler ao som de Ceilings, de Lizzy McAlpine. Ali, com a Eva, o Chris sentia-se em paz. Já há duas horas que estavam sentados naquele velho banco de mad

Our Last Kiss

TW: self arm, suicide Note: read while listening to “ceilings” by Lizzy McAlpine Chris felt at peace, there with Eva. They had been sitting on that old wooden bench for the past two hours. Eva had jus

pedir permissão

estava a andar na rua e senti o cheiro do teu perfume. e foi aí que a minha mente mergulhou naquele dia em que estávamos deitados num jardim a trocar beijinhos e caretas enquanto um céu de mil cores s

Comments


bottom of page